A REINVENÇÃO DA EMPRESA

Projeto Ômega

O ser humano tem potencialidades latentes que ainda desconhece. Assim nos asseveram grandes sábios, cientistas e filósofos. No limiar deste novo milênio, tivemos enormes avanços tecnológicos, mas ainda nos encontramos presos a paradigmas limitadores de nosso potencial. Do mesmo modo ocorre nas empresas, células importantíssimas para o bem-estar econômico, psicológico e emocional de todos nós. Nelas, o indivíduo ainda é encarado como um recurso, um “homem instrumental”. Mas há a possibilidade de se obter resultados maiores e melhores. 


Este livro trata da desconstrução desses paradigmas sobre o homem, o conhecimento, o trabalho e o dinheiro para, com uma nova visão, reinventar as funções diretivas da organização: estratégia, cultura & estrutura, liderança e governança. Essa dinâmica de reinvenção para a busca de resultados ampliados e sustentáveis é aqui chamada de “Ômega”, letra grega utilizada pelo antropólogo Teilhard de Chardin para designar um ponto de consciência mais elevada em que todos nós chegaremos no decorrer da história.


Nesta obra, Paulo Monteiro e Wanderlei Passarella,  baseados em suas experiências e estudos como executivos, professores e consultores, oferecem “inspirações” para se repensar as empresas e alternativas práticas – “transpirações” – a fim de se implantar mudanças significativas que dão novo sentido e longevidade à geração de valor.

O LIVRO

LIVRO ÔMEGA

A REINVENÇÃO DA EMPRESA

PROJETO ÔMEGA

Por que escrever um livro que busca unir a filosofia perene ao mundo organizacional e seus desafios? Uma primeira e razoável resposta seria porque não há muito sobre isso no universo editorial dedicado às empresas. Mas tal resposta, apesar de verdadeira, seria parcial.

 

A principal razão que levou a pensar e realizar este projeto tem seu lado empírico. Há uma enorme desconexão entre o mundo da produtividade, geração de riqueza e lucro e a qualidade dos ambientes humanos onde tais resultados são gerados. O modelo organizacional vigente ainda é pautado sobre os pilares do racionalismo científico e da maximização do capital como fim em si mesmo. O resultado humano dessa lógica parcial revela – em grande parte do universo organizacional – indivíduos desconectados de seu trabalho e culturas frias e pesadas.

E aí surge o paradoxo: o que as organizações mais buscam, um resultado crescente e perene, acaba sendo comprometido pela própria forma parcial e reducionista de concretizar sua intenção. Ainda são poucas as empresas longevas, pujantes que trazem benefícios claros e contínuos para seus colaboradores e stakeholders.

 

Por isso, os autores foram buscar em um grande pensador, Teilhard de Chardin, a fonte e o alimento de sua inspiração. Ômega é origem, caminho e destino de um viver vibrante e evolutivo, é uma jornada onde a sabedoria garante a qualidade e a perenidade de tudo o que existe. Daí a ousada ideia de trazer Ômega para o universo organizacional, como ponte entre dois mundos que foram separados artificialmente pelo ser humano: o material/financeiro e o humano. É possível repensar e reinventar o universo do trabalho e das empresas a partir de um novo olhar, mais profundo e humanístico, onde a sabedoria possa garantir ambientes mais saudáveis e resultados mais duradouros.

 

A melhor maneira de entender tal proposta e unir-se a ela será ler com serenidade e empenho intelectual esta obra, que pretende ser uma clara provocação, entre muitas outras, de uma forma mais profunda e contundente de pensar e formar organizações evoluídas.

 

"Neste excelente trabalho, os autores combinaram suas experiências pessoais e profissionais com suas motivações, diversas porem complementares, e elaboraram uma síntese provocadora entre o saber, a filosofia e os desafios do mundo organizacional. 


A provocação nos faz refletir sobre temas que são bastante relevantes na gestão das organizações, e que certamente inquietam e tiram o sono dos líderes atuais e futuros. 


Ao entender e respeitar o que é natural ao ser humano e à nossa evolução, e transportar este entendimento para a liderança de pessoas, nas mais diversas organizações, poderemos iniciar uma transformação na maneira de engajar e despertar o talento das pessoas. Ainda mais relevante, poderemos desenvolver uma cultura que esteja alinhada aos membros de determinada empresa. 


Temos discutido muito – na empresa em que sou presidente e em um grupo de CEOS do qual participo - a questão da cultura, este ativo (ou passivo) que não aparece nos balanços das empresas, mas que certamente é determinante para o sucesso de qualquer negócio. 
 

A discussão de cultura está muito focada em como criar uma causa comum a todos os participantes da organização, respondendo a pergunta do porque estamos juntos e explicitando os motivos que nos alinham e comprometem. 


Hoje se torna cada vez mais importante entender o sentido mais amplo daquilo que fazemos, por meio da identificação com o propósito da organização. Logo, uma questão importante para os líderes atuais, é que ambiente e cultura organizacional irá atrair e reter os jovens profissionais, que serão os líderes de amanhã, e que irão garantir a sua longevidade e sustentabilidade. 


Esta nova abordagem da organização – Ômega - é inovadora, mas também parece antiga, pois trata da essência do ser humano e do mundo. Ela revela arquétipos que estão na base do que somos, sentimos e sabemos. Devemos pensar a nova organização como um organismo vivo, constituída de células que se organizam em função das atividades, com coordenadores e representantes, ao invés de chefes; funções e times de colaboradores, ao invés de cargos. 


Estas organizações alinhadas com Ômega serão holísticas, adaptativas, ágeis, e olharão para o indivíduo como ser humano, como um colaborador que está presente com o corpo, a mente e a alma, e não como um empregado, ou força de trabalho. 


Seria esta uma nova forma de gestão inclusiva, no sentido de equilibrar o desempenho requerido pelas empresas e negócios com o tão almejado progresso das sociedades, que inclui o crescimento pessoal, profissional e coletivo? Acredito que sim, que certamente este é um caminho para o chamado capitalismo sustentável e consciente, equilibrando as ambições, necessidades e desejos de todos os participantes. 


A transformação já está acontecendo, basta olhar em volta para as empresas que nos cercam, para encontrar bons exemplos. 
 

Nas empresas industriais, que operam regimes de trabalho ininterruptos, é comum a estruturação em grupos semiautônomos, onde os membros destas células de trabalho tem responsabilidade ampliada, algo bem diferente da atividade puramente mecânica que foi no passado. Imaginem o valor dos ativos - capital de giro e capital humano - que está sob a responsabilidade destes grupos semiautônomos, considerando que atuam nessas unidades após o horário chamado administrativo! Eles são os responsáveis diretos pela atividade da indústria nos seus respectivos turnos, e agem sem supervisão direta por meio da autoliderança, superando a estrutura de vários níveis hierárquicos que costuma estar presente neste segmento. 


Para o sucesso dos grupos semiautônomos é necessário, em primeiro lugar, o suporte e a crença da liderança, de que esta é a forma de organização que irá comprometer todos com o objetivo comum e acelerar o atingimento das metas. Será também necessário investir em competências e habilidades diversas, desde as técnicas - pois as tarefas operacionais precisam ser executadas - até as novas habilidades de autoliderança que precisam ser desenvolvidas nos indivíduos e equipes. 


Qual seria o perfil do líder desta organização em transição? Acima de tudo, uma pessoa que lidere pelo exemplo, coerente no seu discurso e na harmonia entre a vida pessoal e profissional. Um líder que entenda que o sucesso está no equilíbrio da equipe, e que busque ter pessoas nas diversas áreas que sejam mais profundas que ele mesmo, e que pratiquem sempre o ouvir atentamente. Enfim, um líder que compreenda os novos paradigmas em relação ao homem, conhecimento, trabalho e dinheiro, e que aplique estas novas abordagens nas funções diretivas organizacionais, como proposto nesta obra. 


De acordo com Paulo Monteiro e Wanderlei Passarella, Ômega é a fonte de inspiração e destino da organização consciente, mas é também a jornada de transformação a ser percorrida. 


Boa leitura e inspiração para essa jornada, lembrando que só transforma quem também se transforma!"

TADEU NARDOCCI - Presidente da Novelis América do Sul

Tadeu Nardocci

Presidente da Novelis América do Sul

PREFÁCIO

 

DEPOIMENTOS

Este livro oferece um passeio pela evolução do homem, a filosofia, a ciência e faz uma conexão entre o conhecimento e a sabedoria para chegarmos a uma sociedade mais colaborativa e justa. Reforça a importância do sentido e significado do trabalho para chegarmos a um estágio mais produtivo e virtuoso em nossas organizações. Os autores prestam ainda um grande serviço ao trazer à atenção de todos o papel da nova empresa – mais articulada, participativa, transparente e evolutiva – e da nova liderança – mais aberta, conectada e transformadora –, ambas refletindo os valores, o propósito e a intenção estratégica incorporados nas organizações do século XXI.

ANGELO BARONCINI, Principal Executivo da Companhia de Navegação Norsul

Os autores trazem, de forma bastante encorajadora, a oportunidade para que as organizações se beneficiem da mudança do nível de consciência dos indivíduos, passando de utilitárias para entidades voltadas ao serviço à humanidade. Os alinhamentos fortes apresentados em Ômega, com os princípios de um Capitalismo Consciente, corroboram com a convergência a uma tendência de afastamento dos modelos egocêntricos e uma busca pelo coletivo – modelos ecocêntricos.

THOMAS ECKSCHMIDT, Empreendedor e Co-Fundador do Capitalismo Consciente Brasil

Somos corpo, alma, emoção, sentimentos e personalidade. Ômega parece nos ajudar a compreender melhor esta relação tão complexa que vivemos a cada instante das nossas vidas. Esta complexidade faz com que muitos durmam acordados, e assim sendo, a evolução estanca e ajuda na permanência do status quo. Por outro lado, o conhecimento e o trânsito entre estas dimensões fazem florescer a sabedoria, maestrina da evolução, que neutraliza a ignorância e o ego, certificados daqueles que ainda tem muito que evoluir. É necessário escrever e insistir que o modus operandi pode ser diferente. Mas como a Terra então é escola, vamos ter sempre o gradiente de evolução entre os seres humanos. A boa notícia é que Ômega vem esclarecer logicamente e confirmar o que muitos já sentem por intuição, e assim sendo vai ajudar a sedimentar esta nova e mais evoluída forma de se fazer e pensar a relação entre o capital e o trabalho.

RENATO CHAVES, Presidente da Agência Marítima Lachmann

Com um equilíbrio elegante de Inspiração e Transpiração, alternando visões de mundo clássicas e profundamente enraizadas na Humanidade com as mais recentes teorias de gestão do século XXI, Paulo e Wanderlei nos preparam para tomar decisões empresariais seguindo as mais inovadoras e eficientes (éticas e responsáveis também) práticas de Liderança, Capitalismo Consciente e Governança Corporativa. Uma leitura que nos leva a ação empresarial mais integral e sustentável.

JOSÉ RENATO DOMINGUES, Diretor Executivo de Pessoas e Sustentabilidade no Grupo Tigre

Um livro com um vasto alcance, simples e vital que nos faz refletir por que temos empresas longevas e empresas que fracassam. Como dar esse salto? Por que as pessoas fazem a diferença quando organizadas de forma correta? Que experiência terão que proporcionar a seus clientes? Que energia temos que deixar fluir para obtenção de resultados de forma sustentável e crescente? O que mais destaco nesse livro é a clareza das ideias, a elegância do argumento e a riqueza dos dados que aporta.

MÁRCIA SANDRA R. V. SILVA, Vice Presidente de Recursos Humanos da Enel América Latina

Provocativo. Os autores nos levam a questionar o verdadeiro papel das organizações e o real significado da geração de valor; fazem-nos refletir sobre o sentido da vida e nosso compromisso com a felicidade.

FLÁVIO ALMADA, CEO Metrô Rio

Este livro mostra-nos um processo de transição de um modelo de ambiente, estrutura e relações humanas vigentes nas organizações, que não atende mais às expectativas atuais. Sob os olhares consistentes dos dois autores, Paulo Monteiro e Wanderlei Passarella, desfrutaremos da pluralidade das ciências humanas que, visionários como são, trazem para este debate. O melhor de tudo, a meu ver, é a riqueza que o leitor desfrutará das indagações e caminhos práticos sobre as organizações, carreiras e seres humanos, na direção de um mundo que bate à nossa porta suplicando o que denominam de “transpiração”. Palavra esta que, com ousadia, os autores lhe dão significado e sentido.

LEYLA NASCIMENTO, Presidente da Federação Interamericana das Associações de Gestão Humana

Este livro traz uma abordagem diferenciada e provocativa para o repensar da gestão corporativa do presente e do futuro. Acredito ser quase unânime que os executivos, investidores, colaboradores e todas as partes interessadas (stakeholders) tenham uma necessidade de mudar este status quo estabelecido há tempos no ambiente corporativo, muitas vezes predatório e com visão imediatista de resultados.Para isso se faz necessária uma profunda reflexão sobre o papel de cada indivíduo, sua missão, seus valores, seu real propósito de vida, como parte de um todo. E nesse aspecto o livro foi buscar fatos e dados históricos, de forma imparcial, para embasar uma abordagem simples, direta, mas com conteúdo riquíssimo. Aqueles que entenderem rapidamente a necessidade de uma nova perspectiva sobre o modelo de gestão corporativa, provavelmente serão os que levarão suas empresas à longevidade de forma sustentável, integral.

FÁBIO ZACHARIAS, foi Diretor e Superintendente de empresas, como Vivo, RV Tecnologia e Embratel

 

AUTORES

PAULO MONTEIRO

Consultor e Coach em Desenvolvimento Humano e Organizacional, tendo atuado nos últimos anos em empresas como Nestlé, Vale, Natura, Oi, L’Oréal, Itaú, Sulamérica, White Martins, TV Globo, Enel Green Power entre outras, no Brasil e América Latina.

Mestre em Comunicação e Educação pela PUC do Chile e pela Universidade Autônoma de Barcelona, Bacharel em Filosofia pelo Ateneo Regina Apostolorum de Roma - filial Nova York, e graduado em Comunicação Social pela PUC do Rio de Janeiro.

É professor de MBA Executivo na Fundação Getúlio Vargas e Professor convidado da Fundação Dom Cabral.

WANDERLEI PASSARELLA

Diretor Geral da Synchron Participações. Foi Diretor Presidente da Petroflex e GPC Química. Mentor em Empreendedorismo das empresas Endeavor, InovAtiva e Stato. Conselheiro do Grupo S2, da Eduinvest, da Nortintas e da Nimal Tecnologia.

 

Mestre em Administração de Empresas, Economista e Engenheiro pela USP.

Pós-graduado em Transdisciplinaridade pela UNIPAZ.

 

Estudou em Stanford, Kellog, Harvard, IMD e Dom Cabral/Insead. Autor dos livros: "O Despertar dos Líderes Integrais", "Fábrica de Ideias, Banco de Oportunidades" e "Criando Seu Próprio Negócio".

 

EVENTOS DE LANÇAMENTO

Mar 

30

Livraria Travessa

Às 19:00

 

Shopping Leblon

Av. Afrânio de Mello Franco, 290 - Loja 205A - Rio de Janeiro/RJ

Abr 

12

Livraria Cultura 

Às 19:00

Shopping Iguatemi

Av. Brigadeiro Faria Lima, 2232 - Piso 3 - São Paulo/SP

 

CONTATO

Conte-nos sobre a sua intenção de reinventar o seu Negócio:

Deixe seu comentário para os Autores:

Estou gostando muito do livro. Já estou no Capítulo 5. Identifiquei-me bastante porque são pensamentos que eu tenho há muitos anos e fico muito feliz que vocês estejam fazendo esse esforço para semear essas ideias nas empresas e nas pessoas.

Como economista sempre me preocupei com o aumento do consumismo e com a necessidade do crescimento eterno. O nosso planeta não aguenta! Desde cedo penso como um eco-economista e compartilho das ideias do Lester Brown, do Earth Policy Institute (http://www.earth-policy.org/).  

A concentração cada vez maior da renda, a fome e a pobreza absoluta também são desafios enormes a enfrentar. Ainda bem que começam a surgir pessoas como o Warren Buffet, Bill Gates além de outros médios e pequenos doadores de diversas ONGs que começam a tomar atitudes contra essa situação. 

Marcos Sodré de Castilho

Diretor da VITA Bio Energia

Bom dia. Passo aqui apenas para deixar meu relato... Há tempos não me encontrava com uma leitura tão cientifica e ao mesmo tempo inspiracional como o Projeto Ômega! Devorando as palavras, pensamentos e conclusões a mil por hora borbulhando junto com suas palavras! Que as empresas tenham a sorte de terem ao menos seus principais gestores lendo-o. Por favor, estenda meu parabéns ao Passarella também.  
#nacabeceira#nosofa#ondequerqueeuva#

Beatriz Moretzsohn

Sócia diretora da IN! Consultoria Organizacional

Eu estive no lançamento do livro na Livraria Travessa do Shopping Leblon no Rio e quero parabenizar os autores pela obra. A livraria estava lotada de sentimentos bons, energias cativantes, bate-papos enriquecedores e de novas ideias. Comecei a ler o livro e estou entusiasmada. Conheci o trabalho de Wanderlei Passarella no curso de Liderança Integral, ministrado na Unipaz-RJ, onde tive a oportunidade de adquirir muito conhecimento. Desejo muito sucesso aos dois!

Vanessa Guimarães

Jornalista, Consultora de Comunicação Corporativa e Palestrante

Please reload

 
© 2016 por Aline Alvissus